Blog         Instagram   Facebook    Twitter   Youtube
https://www.instagram.com/minhocariodepalavras/
 
Sandra Fayad Bsb
Proseando em Versos no Minhocário de Palavras
Textos
SÁLVIA OU SALVERE SALVUS
 
(Do meu livro esgotado Animais que Plantam Gente -
págs 93 a  95. Saiba mais: https://www.recantodasletras.com.br/analise-de-obras/5284132 

 
             Para quem não a conhece, informo que se trata de um tempero da família Labiatae, cientificamente batizada como salvia officinalis L. É muito utilizada na cozinha italiana para dar sabor diferenciado a pães, molhos e carnes, principalmente a de caça. É uma ótima erva culinária, mas afirma um “chef ” italiano que “é melhor não misturá-la com outras. Na grandiosa ópera da culinária, representa a prima donna caprichosa, que se ofende por tudo e por nada, Gosta de ter o palco por sua conta.”
 
            Muito chique mesmo!
É famoso o prato conhecido como “Saltimboca a la romana”, feito com vitela, presunto cru e sálvia.
Como sei que vocês já ficaram curiosos não vou deixar a receita para o final. Ei-la!
 
Ingredientes
¼ de litro de vinho branco seco
600 gramas de fatias de vitela
50 gramas de presunto
1 xícara de farinha de trigo
folhas de sálvia fresca
pimenta
sal

Modo de Preparo
Bater as fatias de vitela, colocar uma folha de sálvia sobre cada uma delas, cobrir com uma fatia de presunto cru e prendê-la à fatia de carne por meio de um palito. Passar os dois lados do “escalope” na farinha de trigo. Levar ao fogo a manteiga em uma frigideira; quando esta estiver bem quente, colocar as fatias de carne, deixá-las fritar bem dos dois lados, salgar e apimentar a gosto. Acrescentar o vinho, dar uma mexida e deixar no fogo até que o molho comece a engrossar. Servir.
 
 
            O nome latim salvere salvus significa manter as pessoas sadias, curar. Tão importante é essa afirmativa que os romanos consideravam essa planta milagrosa, a ponto de indagarem:
            “Por que um homem deve morrer, quando a sálvia cresce em seu jardim?”
            A história relata que para eles essa erva era tão sagrada que sua colheita se cercava de rituais. A crendice popular dá conta de que é uma das ervas das feiticeiras. Considerada planta de proteção, é também usada nos vasos de sete ervas para afastar mau-olhado. Ainda segundo a crença popular, toda pessoa deve ter um pé de sálvia em casa, mas nunca plantado pelo próprio dono da casa e que, se cresce viçoso, é porque a mulher é quem manda no lar.       Outra crença é que dormir com folhas de sálvia sob o travesseiro torna os sonhos realidade.
            De origem Mediterrânea, desde o sul da Espanha até a França e em toda a Itália, a sálvia é tida também como erva da longevidade. Diz um provérbio que quem tem sálvia em casa nunca envelhece.
            É uma planta delicada, sensível aos excessos de chuva e sol, devendo ser cultivada no outono ou inverno à sombra e em local protegido de ventos fortes.
            Parecida com um pezinho de manjericão, a planta mede de 30 a 80 cm de altura. Suas folhas são pequenas, compridas, cor verde claro tendendo para o azul, encorpadas e arredondadas nas extremidades.
            Suas principais aplicações são na culinária (já relatadas). [Na cosmética, as folhas frescas são esfregadas nos dentes para clareá-los além de possuir efeito bactericida e ação anti-séptica bucal, sendo utilizadas para combater mal-hálito, inflamações das gengivas, aftas, cáries, amidalite, faringite, laringite. Ingeridas na forma de chás em infusão ou tempero, estimulam a digestão, combatem vômitos e cólicas estomacais e intestinais, dor de cabeça e suor proveniente da menopausa. Há afirmações de que é rica em estrógeno. Sua ingestão deve ser moderada e em pequenas quantidades para evitar intoxicações, e não deve ser utilizada por gestantes ou mulheres em fase de amamentação porque reduz a produção do leite materno].
            Adicionadas às fórmulas de cosméticos, combatem a caspa, estimulam o crescimento capilar, retiram a oleosidade da pele, são coadjuvantes no tratamento de rugas e anti-transpirante, podendo ser utilizadas como desodorante natural. Devido ao seu cheiro e sabor fortes, se liquidificadas e coadas juntamente com arruda e mastruço, constitui-se em um inseticida natural para outras plantas, galinheiros e canis. Desidratadas, podem ser colocadas entre as roupas nos armários para afastar traças e outros insetos.
 

          
 
Encontre-me: https://www.sandrafayad.prosaeverso.net/ 
 
Sandra Fayad Bsb
Enviado por Sandra Fayad Bsb em 17/12/2020
Alterado em 19/12/2020
Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Site do Escritor criado por Recanto das Letras